Cervejas de Páscoa

O mundo da cerveja sempre foi muito marcado pela sazonalidade, sobretudo no antigo mundo, no qual as estações são sempre muito bem marcadas por fenômenos climáticos. Além disso, as festividades sociais demarcam também uma combinação específica entre os alimentos e as bebidas. A Páscoa é um desses períodos de especial importância e vem repleta de harmonizações e experiências.

Assim como no Natal existem as Xmas Ale, na Páscoa também existem as Easter Ale, ou seja, as cervejas especialmente produzidas para a Páscoa. Algumas são assim consideradas pela especialidade dos seus ingredientes; outras, em razão da sua excepcional capacidade de harmonização com os pratos típicos do período.

Gouden Carolus Easter Ale

Enquanto as Xmas Ale tem como seu diferencial especiarias quentes tais como noz moscada, cravo, canela, gengibre, etc…, os grandes exemplares de Easter Ale, como, por exemplo, a Gouden Carolus Easter Ale (10,5% alc. vol.) ou a Oppigårds Easter Ale (5,3% alc. vol.), têm como característica o toque primaveril pela adição de ervas e especiarias frescas, tais como coentro, alecrim, sálvia, etc…, além de um maior teor alcoólico.

Braggot: o melhor de dois mundos

Um dos estilos que melhor consegue harmonizar com os pratos quentes do período são as tripel de abadia, tais como a Tripel Karmeliet (8,0% alc. vol.); uma cerveja de cor alaranjada, com uma abundante e persistente espuma, aromas de baunilha e frutas brancas agregados à citricidade da sua lupulagem. As sensações de boca trazem uma conjunção incomum entre refrescância e cremosidade, além de um caráter condimentado e levemente picante. Tudo traz em si um conceito primaveril e uma versatilidade para harmonizar com os pratos da estação.

Essas tripel, não necessariamente apenas a Karmeliet, vão bem com basicamente tudo que se relaciona à Páscoa: coelho, cordeiro, pratos à base de ovos, pescados, frutos do mar e a colomba pascal tradicional (não a de chocolate). Carnes de suínos também ficam extraordinariamente harmônicas com essas cervejas. É definitivamente algo a se considerar de se ter guardado na adega para a ocasião.

Crédito da imagem: blog Helbergshumle.se

Quanto aos doces, notadamente os ovos achocolatados, o rol de possibilidades se amplia. Se o caso for chocolate branco, uma grande pedida são lambics ou sour de frutas vermelhas, como, por exemplo, a Kriek Boon (4,5% alc. vol.); se for chocolate ao leite, nossa sugestão é uma barley wine, tais como a Fuller’s Golden Pride (8,5% alc. vol.); para chocolate com castanhas, uma oatmeal stout, tais como a Trapa das Alterosas Oatmeal Stout (% alc. vol.); ou se for chocolate meio-amargo uma dry stout, como a Guinness (4,1% alc. vol.), por exemplo. Por fim, se for o caso de um chocolate já totalmente amargo, uma dica bem legal é fazer uma harmonização com uma doppelbock, como, por exemplo, a Paulaner Salvator (7,9% alc. vol.).

Uma curiosa enchente em Londres: Porter por toda parte…saiba mais!

De resto, como sempre frisamos, harmonizações não são imposições. A melhor cerveja é sempre aquela que você mais gosta. Simples assim. A idéia de criar harmonia não vem necessariamente do gosto, mas da experiência. Então, escolha suas cervejas, prepare sua adega e tenha grandes momentos nesta Páscoa!