Cientistas Cervejeiros V: Joseph Lovibond

A busca pela extrema qualidade na cerveja levou este cientista a estudar e definir sua própria escala de cores e criar uma indústria inteira do zero. Tudo dentro da cervejaria da sua família.

Lovibond é um nome conhecido entre os cervejeiros, embora sua escala de cores atualmente não seja padrão entre os mesmos. Ela foi “substituída” por outras escalas que utilizam técnicas modernas de medição de comprimento de onda que determinam a cor exata da cerveja. Isso não diminui em nada o seu mérito e perspicácia no desenvolvimento de uma técnica nova de inferência da qualidade cervejeira.

Com quantos grãos se faz uma cerveja? Conheça e surpreenda-se

Tudo começou na cervejaria da sua família, em Greenwich, na Inglaterra. Antes disso, porém, Lovibond passou pela marinha real inglesa e foi parar na Califórnia, trabalhando em minas de ouro. Ao retornar para a Inglaterra, entrou no negócio cervejeiro da família junto com seu pai e dois irmãos, na cervejaria que levava o nome da família.

Nesta época não haviam métodos e ferramentas desenvolvidas para a determinação científica da cor de uma cerveja. E ninguém parecia muito se importar com isso. Mas Lovibond queria provar que a cor era um atributo mensurável e poderia servir de padrão de qualidade de pureza para várias indústrias, o que tinha um aspecto bastante prático. No seu livro “Light and colour theories and their relation to light and colour standardization” (disponível para download aqui), traduzido livremente para “Teoria da cor e luz e sua relação com a padronização” de 1915, no capítulo III ele explica o desenvolvimento do método (em tradução livre):

O escritor [no caso, ele mesmo] é um cervejeiro aposentado, e este trabalho teve origem na sua observação que o mais refinado dos sabores apresentados nas cervejas podia ser associado as amostras cuja cor era tecnicamente chamada de “golden amber”. Estas amostras quando deterioradas assumiam uma coloração avermelhada, sugerindo que os padrões de cor poderiam ser adotados como referências confiáveis de medição de qualidade.

De fato Lovibond demonstrou com teoria e prática através de vários anos que, dada uma substância de referência e sua cor, seria possível avaliar se uma amostra possuía o mesmo grau de pureza (ou qualidade, pensando especificamente na cerveja) se sua cor fosse próxima, pois essa estava ligada diretamente a sua composição.

Para provar sua teoria, Lovibond construiu uma série de padrões com lâminas de vidro de cor âmbar que se aproximavam bastante da coloração dos mostos cervejeiros. Para manter as condições de observação controladas, como exposição correta a luz, ele construiu um aparelho que permitia observar simultaneamente a amostra e a lâmina de referência. Estas lâminas foram numeradas de 1 a 20, permitindo a comparação entre a amostra e o padrão e quantificando numericamente portanto, o produto. Este aparelho foi chamado de Tintometer, e sua patente foi registrada nos EUA em 1891. (Veja aqui o documento original).

Patente do Tintometer registrada nos EUA, em 1891

Na época que Lovibond criou seu aparelho, ele começou a trabalhar extensivamente com seu método de medição de cores e padronização. Assim, em 1895 nasceu a empresa Tintometer Inc., que tratava de pesquisar e fabricar os aparelhos para medição de cores em amostras. Desta forma, ele se afastou das atividades diretas de cervejeiro, agora já na cidade de Salisbury, onde havia adquirido a cervejaria St Anne’s Street Brewery, em 1869. A cervejaria passaria a ser administrada por um sobrinho. Mais tarde ele passaria a ser o presidente da cervejaria, onde ficou até o final da sua vida.

A empresa de Lovibond ampliou os padrões de cor e oferta de sues produtos para várias indústrias além da cerveja, como vinho, açúcar, tintas, óleo, farinha, malte, água (turbidez) e outras. Posteriormente um de seus equipamentos virou o padrão da indústria Britânica farmacêutica na análise de drogas medicinais.

Strong ale da Lovibond & Sons Brewery. Cervejarias de Greenwich (pai e irmãos de Joseph) e Salisbury (do próprio)

Lovibond morreu em 1918. A sua cervejaria produziu seu último lote de cerveja em 1959. Funcionou comercializando cerveja até 1968, quando foi adquirida por um distribuidor de bebidas. Em 2005 a cervejaria teve seu nome ressuscitado, aparentemente sem nenhuma relação direta com a cervejaria original. Apenas uma homenagem. Já a Tintometer INC é referência de mercado até hoje.

Esta história é um outro grande exemplo de como a história da humanidade e ciência andou paralelamente a história da cerveja. Lovibond, além de dar prosseguimento a indústria cervejeira criou do zero uma nova indústria, avançando a ciência e criando milhares de empregos e riqueza até os dias atuais. Tudo isso a partir da observação da cor da sua cerveja.